Azeite de Oliva

O termo azeite refere-se ao produto alimentar produzido a partir da azeitona. Trata-se de um alimento antigo, clássico da culinária contemporânea, regular na dieta mediterrânea e nos dias atuais, presente em grande parte das cozinhas.

Além dos benefícios para a saúde, o azeite adiciona à comida um sabor e aroma peculiares.

Classificação do Azeite Segundo seu Processo de Produção

O processamento do azeite de oliva influencia na concentração de antioxidantes. O azeite de oliva extra virgem contém uma maior concentração de antioxidantes do que os azeite de oliva refinado, o qual perde uma parte desses componentes no processo de refinação, mas mantém a mesma composição de ácidos graxos dos azeites virgens.

- Azeite de Oliva Extra Virgem
O azeite não pode passar de 0,8% de acidez e nem apresentar defeitos sensoriais. São produtos de alta qualidade gastronômica e no dia-a-dia são utilizados para finalização de pratos ou saladas. Industrialmente podem ser misturados com outros tipos de azeite.

- Azeite de OlivaVirgem
Obtido por processos mecânicos (lavagem, moagem, prensa fria e centrifugação) com acidez máxima de 2%.

- Azeite de Oliva Refinado
Produzido pelo processo de refinação do azeite virgem, eliminando assim defeitos sensoriais. O refino não modifica a estrutura química do azeite de oliva e elimina os seus defeitos resultando em um produto com acidez não superior a 0,3%, mas perde parte de seu efeito antioxidante.

- Azeite de Oliva Virgem Lampante
Qualquer azeite com acidez maior do que 2%, sendo assim, inadequado para o consumo.  Destina-se exclusivamente para uso industrial na mistura com outros azeites.

- Azeite de Oliva Comum
Resulta da mistura de azeite refinado com azeites de oliva virgens  (extra virgem, virgem ou lampante). O grau de acidez final não pode ser superior a 1%, senão, torna-se inadequado para o consumo. Essa limitação modula a utilização dos azeites virgens na produção do azeite de oliva comum. Ou seja, para atendê-la, os fabricantes se obrigam a utilizar uma quota maior de azeites de oliva extra virgem (ou virgem) do que de azeite lampante na sua elaboração. A principal utilização desse azeite é na culinária.

Benefícios do Azeite de Oliva

O azeite de oliva possui várias substancias benéficas à saúde. Ele pode reduzir a quantidade colesterol ruim do organismo, devido a sua grande quantidade de gordura monoinsaturada. Essa propriedade reduz o risco de Infarto Agudo do Miocárdio e Acidente Vascular Cerebral, uma vez que o consumo regular do azeite de oliva reduz a formação de placas de ateroma nas paredes dos vasos sanguíneos.

Outro fator importante é que o azeite de oliva previne oxidações biológicas porque é rico em polifenóis que reduzem a formação de radicais livres. Os radicais livres são muito nocivos à saúde pois são responsáveis pelo envelhecimento, e doenças degenerativas.

De acordo com pesquisadores do Instituto Linus Pauling, nos Estados Unidos, há uma relação entre a osteoporose e a vitamina K presente no azeite de oliva. Este nutriente contribui para manter os ossos saudáveis.

Outros cientistas observaram que os povos das regiões do mediterrâneo têm vida mais saudável com baixo nível de infarto e câncer. Um dos fatores responsáveis por isso seria o consumo elevado do azeite de oliva por eles, além da ingestão de outras substâncias de uma dieta saudável, como peixes e verduras.

O azeite de oliva contém ingredientes que são anti-inflamatórios e que ajudam a regular o metabolismo.

Pesquisas realizadas em Universidades da Áustria e Alemanha, concluíram que o azeite de oliva contribui para a perda de peso. O estudo apontou os compostos de aroma deste óleo como os responsáveis pelo emagrecimento, pois eles são capazes de regular a saciedade. Após uma refeição, o tempo que a sensação de saciedade depende de uma série de fatores, porém o nível de açúcar no sangue influencia significativamente. Quanto mais rápido as células absorverem a glicose do sangue, mais cedo a pessoa sente fome. A pesquisa concluiu que o azeite de oliva possui substâncias aromáticas que reduzem a absorção da glicose sangüínea pelas células do organismo. 

Cuidados a Serem Tomados na Compra e no Consumo

As propriedades antioxidantes do azeite de oliva são o principal atrativo do produto, devido ao efeito benéfico à saúde. Mas para que o azeite mantenha suas características, é importante que ele não seja misturado a outras substâncias, assim como não deve ser aquecido ou ficar exposto à luz. Alta temperatura e pressão provocam a oxidação da delicada estrutura química dos óleos vegetais. Se desejar sentir o gosto do azeite de oliva no alimento pronto, acrescente-o no final, após apagar o fogo.

Outro problema com o azeite de oliva é a filtragem. No processo de extração, obtém-se um líquido que não é transparente como vemos na maioria dos azeites extra virgens, mas sim opaco, repleto de resíduos minúsculos das azeitonas em suspensão. Esses resíduos contêm a maior parte dos antioxidantes tão desejáveis à nossa saúde.

Ao comprar o produto, olhe o fundo da garrafa à busca do sedimento, ou agite-a para ver se levanta suspensão. Prefira garrafas de vidro opaco ou de uma cor que impeça a penetração da luz que contribui para a oxidação do azeite. 

Quando consumir azeite de oliva não-filtrado, lembre-se de agitar a garrafa antes. Isso faz com que os antioxidantes se espalhem.

Repare que o azeite composto não é azeite, e sim, uma mistura entre outros tipos de óleo e o azeite de oliva. Ele contém somente 10% de azeite, por isso é mais barato. Portanto, é essencial olhar o rótulo antes de comprar.

E não se esqueça de verificar a data de fabricação e validade do produto. Quanto mais novo o azeite, menos chance ele tem de ter sofrido a ação da luz e da temperatura no processo de transporte e armazenagem.

Nenhum comentário:

Comentários
0 Comentários

Postar um comentário

"
"
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...